Configuração inicial

Se correr o Gitea dentro do Docker, leia a documentação antes de alterar quaisquer configurações.

Configurações da base de dados

O Gitea requer MySQL, PostgreSQL, MSSQL ou SQLite3.

Nota para os utilizadores do MySQL: Use o mecanismo de armazenamento InnoDB e, se usar "utf8mb4", a sua versão do InnoDB tem que ser superior a 5.6.
Deixe em branco para o padrão da base de dados ("público").
Localização do ficheiro da base de dados em SQLite3.
Insira um caminho absoluto se corre o Gitea como um serviço.

Configurações gerais

Pode escrever aqui o nome da sua companhia.
Os repositórios Git remotos serão guardados nesta pasta.
Os ficheiros rastreados pelo Git LFS serão armazenados nesta pasta. Deixe em branco para desabilitar.
Insira o nome de utilizador do sistema operativo que vai executar o Gitea. Note que esse utilizador tem que ter acesso à localização base dos repositórios.
Domínio ou endereço do servidor para URLs de clonagem SSH.
O número do porto que o seu servidor SSH usa. Deixe em branco para desabilitar.
O número do porto onde o servidor web do Gitea estará à escuta.
Endereço base para os URLs e notificações por email das clonagens por HTTP(S).
Os ficheiros de registo serão escritos nesta pasta.

Configurações opcionais

Configurações de email
Endereço de email que o Gitea vai usar. Insira um endereço de email simples ou use o formato "Nome" <[email protected]>.
Configurações do servidor e de terceiros
Nome de domínio para utilizadores com um endereço de email oculto. Por exemplo, o nome de utilizador 'silva' será registado no Git como '[email protected]' se o domínio de email oculto estiver definido como 'semresposta.exemplo.org'.
Configurações da conta de administração

A criação de uma conta de administração é opcional. O primeiro utilizador inscrito tornar-se-á automaticamente num administrador.